Proporcionar o

respeito às especificidades

Em qualquer processo educativo, a confiança, a crença e o respeito às possibilidades e particularidades, como também, o reconhecimento das possibilidades de escolhas de cada sujeito muito contribuem para o desenvolvimento das habilidades emocionais, sociais, escolares e consequentemente a formação do cidadão. 

Maria Montessori (1870-1852), educadora e defensora dos direitos da criança, afirma que um ambiente prático, funcional, seguro e confortável pode-se estimular o aprendizado, a autonomia, a tomada de decisões, a construção da escolha e o respeito mútuo.

Os pais devem estimular os filhos a realizar suas tarefas transmitindo-lhes confiança em suas capacidades e auxiliando-os nos desafios que possam surgir para atingir novos objetivos.

Com o auxílio dos pais, os filhos poderão realizar pequenas metas com apoio e correção para que o respeito seja prioridade.

A intervenção dos pais na tomada de decisões dos filhos pode influenciar o desenvolvimento das habilidades de resolução e de superação no enfrentamento de problemas. 

Com o ritmo acelerado da rotina, espera-se que as crianças sigam na mesma velocidade e da mesma maneira que os pais, que por vezes recriminam quando elas não respondem às expectativas. Deste modo, pode-se criar uma necessidade de referência em vez de fortalecer o autoconhecimento e o poder de decisão que são importantes para o desenvolvimento humano. 

Deve-se dar atenção às pequenas conquistas, evitando críticas aos erros e deste modo contribuímos para o fortalecimento do autoconceito e a valorização das suas possibilidades. A dedicação, a calma e o respeito diante dos fracassos da criança podem encorajá-la a prosseguir. 

Como estimular as particularidades das crianças

  1. Mediante ao erro é importante que a criança possa entender as causas e quais as possibilidades que têm para superá-lo.
  2. É preciso que ela possua espaço para ficar sozinha, seja por diversão ou dever, para que possa reconhecer seus desejos, possibilidades e dificuldades.
  3. Pouco a pouco, a criança deve ser incentivada a fazer ações para atender suas próprias necessidades, para que construa uma autonomia baseada na segurança e confiança de suas habilidades.
  4. Para que a crianças possa criar espontaneamente a partir de seus interesses é importante que o ambiente seja estimulador e facilitador.
  5. Valorizar o esforço das crianças, principalmente no início do processo de desenvolvimento, as motivam a alcançar seus próprios objetivos.

A adaptação da crianças às normas culturas socialmente estabelecidas não excluem a importância do respeito a sua individualidade. O indivíduo que confia nas suas próprias habilidades e que valoriza suas conquistas estará mais preparado para respeitar e conviver no meio social.